Meu Recanto.

Fascinar-se a cada amanhecer.

Textos

Fingia o que não sonhava

Nem mocinha
era menina
quase sempre estava só
sozinha também sonhava
no altar da fantasia...
Fazia cara de má
disfarçando o próprio medo
pra desviar a tensão
arriscava dar um nó
nas ameaças à vista.
Às vezes
em domingos pálidos
espantava passarinhos
andava em más companhias
sem nunca ir
aonde ia...
Fingia o que não sonhava
se enfiava livro  adentro
lia todas as nascentes
que só a palavra cria.
Escutava um som distante
era o sino que zunia
a catedral lhe chamava.

Diulinda Garcia


Diulinda Garcia de Medeiros
Enviado por Diulinda Garcia de Medeiros em 07/10/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a auria de Diulinda Garcia e o site diulindagarcia.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras