Meu Recanto.

Fascinar-se a cada amanhecer.

Textos

Mulheres marias
  Mais uma vez a procissão de São Sebastião e lá estavam elas:mulheres tristes e recolhidas,possuídas pela rotina do dia a dia massacrante e sem graça.Havia naquelas mulheres uma denúncia silenciosa.
  Eram mulheres marias que iam e que vinham com suas mãos calejadas pela labuta diária e sem trégua .Faziam o fogo,punham a mesa com esmero,varriam o assoalho,lavavam toda a roupa usada,mas mesmo assim,não eram mais que marias...
  Sabiam-se apenas mulheres,a quem fora negado o poder de decidir sobre suas próprias vidas.Eram mulheres que não podiam  fazer suas escolhas,nem proferiam a última palavra nas decisões
familiares.Ouviam,acatavam,resignavam-se e seguiam à risca as determinações masculinas.
  Tinham sonhos,que nunca ousariam revelar.Não lhes era dado o direito de sonhar.Conformavam-se.Tomariam mais uma dose daquele cotidiano previsível,inevitável e prosseguiriam.Rezariam as novenas e seguiriam a procissão de São Sebastião,quem sabe ele ouviria suas preces secretas,concedendo-lhes a graça de viver um pouquinho do
muito que sonharam.

DIULINDA GARCIA,Texto inédito,setembro/07.
Diulinda Garcia de Medeiros
Enviado por Diulinda Garcia de Medeiros em 10/09/2007
Alterado em 18/08/2013
Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras