Meu Recanto.

Fascinar-se a cada amanhecer.

Textos

Alegrias sem tino
  Descia a barra da saia
  escondia as ppernas finas
  marcadas por unhas-de-gato
  numa sofrência
  machucada de medo...
  Se embrenhava no mato
  sem tento
  sem guia
  contente de dor
  (alegria sem tino)
  Ia colher flores
  morder frutos verdes
  atirar pedras tontas
  espantar passarinhos
  que cochichavam sonhos.
  

Diulinda Garcia de Medeiros
Enviado por Diulinda Garcia de Medeiros em 06/04/2016
Alterado em 06/04/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras