Meu Recanto.

Fascinar-se a cada amanhecer.

Textos

Altar de lembranças
Nesses longos dias mornos e brancos,uma mosca que zumbe em algum lugar,uma britadeira na rua,um sino longe,muito longe,e um tempo que se estira indefinidamente em parceria com o sol que preguiçosamente aquece através da cortina,ou da neblina fria, sublinhando essa eternidade incolor que,mesmo sem intenção,nos remete aos arquivos de nssa memória.
Abrir as gavetas é o proximo passo,mexer no que está nelas guardado,é uma consequência natural,daí a ajoelhar-se no altar de lembranças é um pulo inevitável.Numa fração de segundo somos remetidos,arremessados a lugares,pessoas e momentos que,desenharam e deram colorido a nossa aisagem,fazendo parte desse mistério de estar no mundo,construindo uma história que se compõe rindo,chorando,costurando e bordando a vida.
Diulinda Garcia de Medeiros
Enviado por Diulinda Garcia de Medeiros em 06/08/2015
Alterado em 06/08/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Diulinda Garcia www.diulindagarcia.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras