Meu Recanto.

Fascinar-se a cada amanhecer.

Textos

Mulher,um ser plural
Outro dia lendo Luis Fernando Sabino,me deparei com o texto Mulheres, que parece ser escrito com o propósito de nos emprestar
a força que em determinados momentos nos falta.Sabino é um dos
nossos aliados que assim fala em sua Crônica:"(...)elas não são humanas.São espiãs de Deus(...)".
O texto nos faz refletir sobre essa complexidade que envolve o ser-mulher,a sua capacidade de preparar dentro de si uma vida, e ainda ensinar como viver oferecendo amor incondicional,além de sua  disponibilidade integral,tudo sob a confiança de Deus.
Uma mulher não é mais nem menos que um ser,cuja pluralidade a faz
transitar entre a intuição,a inteligência,a razão e a emoção,transgredindo os seus próprios limites e reinventando-se a cada novo dia e a cada desafio que a vida lhe impõe.
Dizem que nem Freud, que se arriscou a  estudar como ninguém  o comportamento  humano,consegiui  decifrar os mistérios do universo  feminino.
A mulher não é um modelo de perfeição,mas alguém capaz de transformar sua realidade; uma grande perda, ou uma ausência insubstituível, em uma  canção cantada em tom maior,tão agudo quanto a sua própria dor e assim distrair o seu cotidiano minado pelo sofrimento e pelas frustrações com o poder e a magia da música e  do canto.  
Uma mulher tropeça na sua incompletude, mas se levanta, procura sair de si mesma para buscar o equilíbrio,minimizar os excessos,controlando as paixões e desconstruindo as emoções para resgatar a razão e assim se equilibrar na subida de cada degrau de suas conquistas.
Quantas vezes,precisa se vestir de bailarina para dançar  em ponta uma bela coreografia.Outras tantas,paradoxalmente,sai de  cena para que o outro receba os aplausos do concerto.
A multiplicidade feminina a faz forte,mas a sua humanidade expõe a sua fragilidade.A sua incompletude é ao mesmo tempo tão completa pelo tamanho de sua bagagem recheada de obstinação, perspicácia
lágrimas,emoções,perseverança,sensibilidade,virtudes e pecados.Tudo
junto,nada se perde,embora se confunda às vezes,em meio aos sonhos,medos e aos tantos da vida.

Diulinda Garcia
Visite o site :
www.diulindagarcia.com



Diulinda Garcia de Medeiros
Enviado por Diulinda Garcia de Medeiros em 25/01/2011
Alterado em 17/03/2014
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras